segunda-feira, 21 de julho de 2014

Rayman Origins e a destruição dos "istas"

Termo pesado, meio mundo vai cair matando, mas é verdade: Rayman Origins chegou chutando bundas e sambando na cara do bigodudo italiano e do ouriço azul. Não tem como negar, o título trouxe tudo que os dois vinham tentando fazer há anos: gráficos lindos, cenários vivos, desafios numa medida ideal, jogabilidade simples e fluída e diversão garantida do início ao fim. Os mascotes dos maiores "istas" do mundo dos jogos são bons? Sim, mas nem perto do mascote da Ubi.

Sim, são gráficos do jogo


Bom, o jogo não tem praticamente nenhuma história: você está dormindo e acaba despertando os monstros do mundo do pesadelo lá, que vem pra infernizar o mundo. Cabe a Rayman e seus amigos detonar com eles. Simples assim, tão clichê quanto a princesinha no castelo, mas como o jogo é putaqueparivelmente divertido, quem liga pra isso? Corre, anda, chuta e ta tudo certo.

Mas tem algo que chama a atenção do jogador logo de cara: os gráficos. Parecem pinturas geradas na hora ali, só pra você se deleitar. O mundo em primeiro plano é vivo, tudo se mexe e tem sua posição naquele ambiente, bem como o longínquo plano de fundo, que se apresenta tão belo quanto o resto da obra. Cara, é lindo ver o quanto este jogo é bem trabalhado graficamente. E musicalmente: a trilha sonora é daquelas que você racha de rir enquanto joga. Todas muito marcantes,e certeza que o tema de "caça ao baú" ou da Terra dos Mortos Pálidos ficarão na sua cabeça por semanas.

Assoviando o tema desta fase por meses, anos...


A fluência do jogo espanta: os desafios transcorrem tranquilamente, bem como a dificuldade em avançar aumenta gradativamente. Se você for um pouco menos colecionista, pode se frustar: hora mais hora menos terá que voltar nas fases já concluídas pra salvar mais Teensies e poder desbloquear as fases á frente, mas nada que de fato atrapalhe muito.

Quão desafiador e divertido pode ser uma caça ao baú....


Rayman chega pra reinventar o sistema dos plataformas 2D, especialmente pros mascotes com as fórmulas bem batidas que apresentam já há tempos. Se você curte o gênero, recomendo muito que joguem este jogo. Gráficos lindos, musica sonora marcante, jogabilidade fluída e simples, história clichê que ninguém dá a mínima, que mais um mascote precisa pra ser bom?

Um comentário:

  1. Sempre curti o Rayman, des de o 2 de ps1, agora o origins e o legends são únicos e uma beleza, jogar em multiplayer local é da hora, daquelas diversão que são difíceis de se obter ultimamente. Belas Observações e análise.

    ResponderExcluir