segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Batalha épica

O tanque Tiger 1 raramente é o mais poderoso em uma batalha de World of Tanks, por isso, é uma das linhas de pesquisas menos escolhidas. Por isso vemos tão poucos tanques Tiger King, ou Tiger 2, se preferir.

Minha surpresa quando vi o meu Tiger, no topo da cadeia alimentar, e outro Tiger, próximo ao topo da cadeia inimiga.

O mapa, nas Estepes, um campo de batalha ideal para grandes tanques, os pesados, que ignoram o dano dos menores e vagam como monstros invencíveis em campo aberto.

Quando a batalha tem início, parto de imediato para a depressão mais ao leste do mapa, navegando lentamente entre os veios da terra. São muitos tanques de grande porte, e a blindagem do meu Tiger não é das melhores.

Para minha sorte, um blindado de menor porte saiu em disparada na frente, atuando quase como ranger, localizando os inimigos pelo mapa. Segui ele, até ver seus destroços mais a frente.

Escondido em meio as pedras, depois de alguns segundos, saí lentamente, apenas o suficiente para apontar na lateral do pobre blindado americano. BOOM, lá se vai 40% da sua energia.

Desnecessário dizer que o pobre coitado recuou da colina onde estava. Não tinha a menor chance de sobreviver comigo.

No entanto esse disparo alertou o KV-1 soviético, e mais um tanque americano, que estava pelas redondezas. Entre virarmos as torres, prepararmos o disparo e efetuar o referido, demoraram uns bons 7 segundos.

Para a minha tranquilidade, o disparo dele bateu na blindagem e tirou não mais de 10% da minha energia. Já o meu, tirou uns bons 35%. E então o disparo de um outro tanque inimigo tirou mais 15%, e um outro, que não vi nem de onde veio, tirou mais uns 10% da minha energia.

Com pouco mais da metade da minha energia, recuei.

Sábia decisão, pois um disparo de artilharia caiu na posição onde eu estava, segundos antes.

Eis então que a cavalaria chega e dois outros blindados me passam, apressados, em direção a bandeira inimiga. Deixo que passem. Dou uns bons 30 metros de distância, antes de seguir o rastro.

O primeiro disparo tira 30% do corajoso blindado soviético que ia na minha frente. Um segundo disparo trava as esteiras do tanque americano que vinha logo atrás, o imobilizando. Passo pela direita dele, o usando como cobertura.

O blindado soviético, sem diminuir a velocidade, seguia o rastro daquele pobre americano que atingi primeiro. Com um disparo, o deixou com 38% da energia.

Sigo os dois calmamente, esperando o momento certo para disparar.

Quando meu aliado erra o disparo e meu canhão nivela perfeitamente contra a lateral do tanque inimigo, disparo. O pobre coitado fica com 8% de energia, na bandeja, para que meu aliado o abata.

Minha paciência é recompensada quando o coitado americano que me atingiu antes, tirando 10% da minha energia, aparece com pouco menos de 20% de energia, ele próprio.

Como um pato atingido por um canhão, ele explode, sem qualquer protesto.

Enquanto isso, um caça-tanques aliado descobre dois tanques pesados indo em direção a nossa base. Eles vão capturá-la, não existe nenhum tanque naquele lugar que possa parar o Tiger e o KV-3 do exército inimigo.

Ao menos só sobraram 2 tanques da equipe inimiga. Que podíamos ver.

Enquanto avanço eu mesmo na direção da base inimiga, deixando todo o cuidado para trás, descubro e destruo um tanque soviético em uma fração de segundos, chamando toda a atenção de qualquer outro tanque que ainda estivesse escondido pelo mapa, para mim, enquanto meu aliado é destruído, ao mesmo tempo em que destruiu um outro inimigo.

Chego na base inimiga enquanto a minha própria está com 7% de captura. Dois anti-tanques sabem o que fazer, me deixam capturando a base e correm para ressetar a captura do único modo possível, acertando os tanques inimigos.

Passam por um Churchill 1, blindado britânico, no meio do mapa, que tenta, em vão, encontrar nossos dois blindados de artilharia móvel. Neste momento, um deles avisa pelo comunicador.

"Artilharia, se preparem."

Os pequenos tanques chegam à minha base e começam a horrorizar os gigantes de aço, causando pouco mais que uma coceira, mas ainda assim, ressetando a captura da base e, o melhor, apontando a exata localização dos tanques pesados à nossa artilharia.

Quando isso acontece, estou com 40% da captura da base, os inimigos estão com 56%.

A contagem deles é ressetada algumas vezes em uns poucos segundos. Até que o Churchill 1, aquele que foi ultrapassado pelos nossos anti-tanques, pouco tempo atrás, aparece no meu radar. Voltando para tentar me destruir.

Havia muito tempo que não enfrentava um tanque britânico, tinha menos de 50% da minha energia, enquanto ele tinha mais de 60% da dele. Confesso ter suado com a possibilidade de perder uma batalha tão justa.

Ainda mais quando um de nossos anti-tanques foi destruído, e logo depois, o outro.

Quando acertei o primeiro disparo, arrancando uns bons 25% da energia total do blindado britânico pensei.

"A minha parte farei. Esse coitado vai morrer."

E então, o disparo dele veio e ressetou minha captura.

Ao mesmo tempo em que a nossa artilharia acertou um disparo preciso no Tiger inimigo, o destruído e ressetando mais uma vez a captura da minha base.

O outro tanque pesado encontrou aquela artilharia e a destruiu. Inferno...

Acerto mais um disparo, esperando destruir o Churchill e continuar minha captura, uma vez que só tenho uma artilharia aliada que está muito longe para encontrar o inimigo restante, que captura a nossa base.

Esse último disparo deixou o inimigo com 5% de energia... Não era para ganharmos.

Levei mais um disparo que ressetou novamente a contagem e então pude terminar com aquele filho da puta. Bastardo.

Com 55% de captura da minha base, e eu com apenas 25% de captura da base inimiga, não havia chance.

Foi quando, na escuridão, a artilharia acertou um disparo cego.

Destruindo o tanque inimigo, e vencendo a partida para nós.

Para aqueles de vocês que ainda não conhecem o game que proporciona batalhas épicas como essa, segue um vídeo de Breve Play que fiz para o canal da Porca Flamejante, e mais abaixo, imagens como prova do desempenho.




Nenhum comentário:

Postar um comentário