terça-feira, 7 de outubro de 2014

Eu tive uma infância e nela tinham jogos - 6são Nostalgia

Olá jovens hoje especialmente como sugerido pela mestra +Liliane Maria Santana trago a vocês o post nostalgia, o elo entre quem eu sou com quem eu fui, coisas que só a infância teve e serão eternas.

Lá nos meus tempos de mini gafanhoto fui agraciado com consoles e games arreviria, eu era rico, mamava dinheiro com pitadas de ouro, esbanjava cartuchos, joypads e portáteis.
Tudo mentira, eu ganhei um videogame do meu pai, um da minha vó e só muito tempo depois fui comprar um, porém vivi aventuras alucinógenas e malucas em jogos realmente estonteantes e imersivos.

Conheci logo cedo um jovem que mais parecia um duende, vestindo roupa verde com uma espada de madeira atravessando florestas perigosas como senão houvesse amanhã (E realmente nunca ouve amanhã, a sensação do jogo era que estávamos em uma tarde sem fim). 


Algum tempos depois em uma madrugada vendo tv, assisti um determinado desenho, pasmem, era o duende, vestido de verde guerreando contra inimigos atrás de sua amada. O nome dele era Link, ambas as aventuras se chamavam "A lenda de Zelda", fiquei abismado, feliz, sorridente, mas o jogo era difícil, naquela época não tinha dicas, não tinha nada dizendo o que deveria ser feito e se tivesse eu não entenderia, era pequeno, não entendia nada em inglês, minha vida foi uma aventura no universo de Legend of Zelda.














Os tempos passaram e Zelda não foi o primeiro jogo que me identifiquei, mas com toda certeza foi um dos melhores que já joguei. No entanto nessa época eu vivia acordando cedo aos sábados pra assistir um robozinho azul, conhecido como "Mega Man" ele não era o Mickey, mas tinha um pluto, achava aquilo muito bacana.

Certo dia peguei uma fita do Mega Man, gigantona, cinza, como havia de ser para o querido Nes - Nintendo Entertainment System de vídeo cassete disfarçado de video game" e iniciei, recebi uma tela negra com os dizeres "MEGA MAN" "PRESS START" e mais abaixo tinha outros dados e uma data, ta não era uma data especifica, era o ano, mas era 1987, era o ano que nasci, então durante um tempo fiquei ali imaginando o que era isso, depois que desisti de descobrir o que era, finalmente apertei start.

Um flash de arrependimento poderia ter passado naquele momento da minha vida, porque eu estava prestes a me tornar um hardcore sem minha mãe saber. Mega Man foi um jogo que me inseriu de vez no mundo dos jogos, a cada game over eu ficava mais estasiado e confiante de que na próxima daria certo. Conhecido carinhosamente como Rock nas fitas japonesas, o robozinho azul tinha dificuldade elevada a 100 na versão oriental, ou seja, fui buscar todas essas fitas de auto punição e fui zerando com o tempo, o estilo de jogo do Mega sempre me inspirou muito, é algo motivador ver aquele monte de pixel azul, amarelo e preto conquistando novos poderes e mudando de cor, como aquilo foi divertido (e sofrido também).

Na época do vídeo cassete genérico que podia ser chamado de turbo game, top game, geniencom e tantos outros nomes, acabei ficando com um turbo e ali conheci o que seria o assassino das minhas noites de sono, as fitas do demonho endemonhado, jogos genéricos, títulos como Street Fighter 2, Mortal Kombat entre outros que só estavam disponíveis em Arcades ou SNes. Aquela época foi loca, a tensão foi a mil, a conta de luz subiu o morro pra cantar no bolso do meu pai mais desafinada que o tiririca.

Nesse período joguei muitos jogos genéricos, existiam jogos ruins pra caramba, mas tem um detalhe estranho, estes jogos ruins não eram genéricos, eram títulos do Nes mesmo, já os tientioriconotiontien sempre foram além das minhas expectativas, conheci até o Street Fighter IV e V nessa época, a mentalidade hue sempre foi muito avançada no conceito geral da bagunça.

Eu poderia sentar aqui e falar de trocentos jogos que tiveram grande importância na minha infância, mas vou me ater a estes 3 títulos e citar a menção honrosa, o primeiro titulo que joguei no Nes.

The Little Nemo - Dream Master, foi o primeiro e memorável titulo que joguei, naquela época não só eu, mas outras crianças da minha vila gostaram do jogo. Era uma criança sonhadora, jogando um titulo que mostra outra criança sonhadora se aventurando em um mundo de sonhos e possibilidades, era difícil alguém não gostar, até porque os gráficos eram simples e bonitos, o modo como o jogo avançava era bacana, sempre te fazendo pensar sobre o que era possível e preciso fazer com cada animal para passar ao próximo ponto. Eu sequer conseguir terminar o titulo porque a fita estava estragada, chegava em um ponto e travava, como era difícil conseguir outra, sempre começava de novo e de novo, o jogo foi imensamente aproveitado na medida do possível.

Com cada um destes títulos aprendi algo em particular, com Zelda, aprendi que é preciso explorar cada canto e você pode não ter tudo o que quer pra se aventurar, mas basta fazer do que tem, tudo aquilo que precisa e a aventura será memorável. Mega Man sempre mostrou que o caminho mais fácil nem sempre é o correto, que a dificuldade está ai só pra te preparar para o próximo passo, game over e afins, mas cada conquista soará como um gigante brado de vitória e recompensador por sinal.

Street Fighter joga na sua cara o básico, é preciso ir em busca do mais forte, nunca se acomodar, se cair, levante-se o round continua e a vida também, já Little Nemo uniu cada conceito antes deles se tornarem parte do que sou e exemplificou em bichinhos e sonho que é preciso ser paciente, ter conhecimento e o imprescindível na vida é ter sonhos, pra que eles virem metas e sejam alcançados.

Bom , espero que tenham gostado, eu curti imensamente a ideia da Lica e aproveitei cada minuto escrevendo todas essas linhas, embora quisesse escrever muito mais.
É isso ai pessoal \o/ 



2 comentários:

  1. Droga ! escrevi um comentario grandão e não foi :-l

    ResponderExcluir
  2. RA! sekto foi tollado pelo comentário \o/

    ResponderExcluir